Clubes pressionam Conmebol a aceitar R$ 280 milhões por direitos de TV da Liberta

e8a408a0-856b-4447-ae05-36ac208ffa0b_libertadores_1
Uma ameaça do uruguaio Peñarol, um dos clubes mais tradicionais do continente, fez a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) aceitar avaliar proposta para dividir os direitos de televisão de suas competições.
A Global Sports Partners, que tem com um dos sócios o ex-jogador Enzo Francescoli, um dos maiores da história do Uruguai, apresentou uma nova oferta, no final de outubro, para dividir com a T&T Sports o direito de transmissão da Libertadores, da Copa Sul-Americana e da Recopa.
O valor oferecido é de US$ 120 milhões (R$ 280 milhões) por ano por 50% dos jogos, até 2018. O valor é maior do que a T&T paga, que é de US$ 42 milhões (R$ 98 milhões) por ano –depois essa empresa repassa os direitos para a Fox e para a TV Globo.
Um comitê do Peñarol colocou em votação a possibilidade de acionar a Conmebol judicialmente caso a oferta não seja aceita. Por oito votos a favor e três abstenções, foi aprovada e será levada adiante, dependendo da resposta da entidade.
Alguns clubes de países como Venezuela, Argentina e Uruguai, liderados pelo Peñarol, avaliam que triplicariam seus ganhos com a cota paga pela Conmebol por partida se essa proposta for aceita.
Uma reunião acontecerá nesta sexta-feira, na sede da entidade, em Assunção, no Paraguai, para tratar do assunto. Os principais membros da Conmebol estão em Assunção para reunião do comitê-executivo da entidade e para o sorteio dos grupos da Libertadores, nesta quinta, 22h (de Brasília).
A rebelião começou a ser desenhada em reunião no início de setembro, que foi realizada na sede do Corinthians e teve a participação de presidentes de clubes, empresários, sindicatos de clubes e até ex-jogadores como Romário e Maradona.
O Peñarol acabou encabeçando o grupo e tomou a frente em uma das propostas que foi avaliada no encontro: acionar a Conmebol na Justiça para que a entidade divulgue o quanto fatura com TV e explique por que não aceita uma proposta mais vantajosa.
Em 2012, a Global já havia feito uma oferta para comprar parte dos direitos de TV, no valor de US$ 67 milhões por ano (R$ 156 milhões) até 2018. Segundo a empresa, era um valor três vezes maior do que o pago na ocasião pela T&T.
Procurada, a Conmebol não se manifestou. A Folha apurou que a entidade, em um primeiro momento, comunicou aos clubes que, caso seja acionada na Justiça, poderia excluir a equipe de suas competições –o Peñarol está classificado para a Libertadores de 2014.

Fonte: Folha Online

Sobre o autor
Editores responsáveis pelo site