Técnico do Nacional-URU tira o chapéu para o Botafogo: “Coletivo muito forte”

Enquanto a torcida do Nacional-URU não se conformou com a eliminação da Libertadores e depredou o Setor Sul do Nilton Santos, o técnico da equipe reagiu diferente. Em entrevista após a derrota por 2 a 0 para o Botafogo, na noite da última quinta-feira, Martín Lasarte reconheceu a superioridade rival, viu os uruguaios vítimas da blitz alvinegra empurrada pelas arquibancadas e tirou o chapéu para o time “estrangeiro” de Jair Ventura.

– Sinto que jogamos contra um time que faz muito bem determinadas coisas. Não é aquele futebol típico brasileiro, que tem um Zico, um Robinho, esses jogadores que desequilibram. Eles têm bons jogadores, mas creio que têm um coletivo muito bom, muito forte. E que ficaram cômodos logo no início da partida – analisou o treinador, que atribuiu os gols sofridos no início à armadilha rival.

– Sinto que foram situações que tiveram a ver com a blitz rival, que fez muito bem com sua torcida. Como fazemos todos, habitualmente. Esse energia empurrou eles, e nós tivemos dificuldades nesse impulso inicial. Um gol de escanteio e o outro em um erro nosso nos deixaram em situação difícil.

 
Martín Lasarte elogiou o Botafogo e criticou descontrole de seus jogadores no fim (Foto: Thiago Lima)

Martín Lasarte elogiou o Botafogo e criticou descontrole de seus jogadores no fim (Foto: Thiago Lima)

Confira outros trechos da entrevista:

O JOGO
Já tínhamos perdido a primeira, e levar 2 a 0 na volta com cinco minutos… O desafio ficou muito difícil. Bom, o time tentou, trabalhou, mas não conseguimos. Creio que tivemos uma chance ou duas, nada mais. Nosso rival foi melhor e se encontrou favorável. É uma equipe que maneja bem a vantagem, controla as linhas. Eu vim com muita esperança e saio triste por não ter conseguido.

Fonte: GE

Sobre o autor