Jair refuta clima de favoritismo contra Flamengo: “Não podemos cair no oba-oba”

Após o treino fechado na noite desta terça-feira, no Nilton Santos, Jair Ventura voltou aos microfones e refutou qualquer clima de favoritismo do Botafogo, que enfrenta o Flamengo nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), pelo jogo de ida da semifinal da Copa do Brasil. Diferentemente dos outros três clássicos anteriores com o rival na temporada, desta vez o Glorioso chega com a moral em alta e mais descansado para a partida. Porém, o técnico alerta contra “oba-oba”.

– O clima no Botafogo é muito bom. Acho que é a maneira que levamos. Somos muito competitivos. Mas no momento em que acharmos que uma derrota acaba o trabalho, não dá certo. Assim como não somos os melhores do mundo com uma vitória. Não podemos cair no oba-oba. Temos que ter equilíbrio e fazer um grande jogo. Temos que buscar um equilíbrio para que a emoção não possa superar o sistema, o que treinamos. Temos que repetir os últimos jogos.

Confira outros trechos da coletiva:

EXPECTATIVA
É uma situação de que o trabalho está sendo bem encaminhado. Não sabemos o final da história. Não posso falar o resultado, mas possa garantir o empenho. Tenho certeza que será dificílimo, clássico super tradicional, mas vamos vender bem cara.

TÉCNICOS ESTRANGEIROS
Eu sou um cara bem espontâneo e que fala a verdade, o que penso. Acho que não me fiz entender. Não falei da situação de vir estrangeiros. E sim de vir. O brasileiro não consegue trabalhar fora porque exigem uma licença para trabalhar em outro país. Então porque não exigir dos nossos colegas estrangeiros. Mas nada contra o Rueda. Nos enfrentamos duas vezes nesse ano, tem padrão tático, trabalho em seleções. Como vou ser contra? Trabalhei 9 anos fora do país. Estudei e quero trabalhar fora do país. Só queria igualdade. Foi isso que eu quis falar.

 

TÉCNICOS BRASILEIROS
A grande dificuldade para os treinadores brasileiros é que os cursos já existem, mas não são reconhecidos. São as mesmas aulas e cursos da Argentina, por exemplo, mas os daqui não são reconhecidos. Falei aquilo para tentar ajudar. Uma situação de melhoria para todos nós. O problema não é vir. É a gente poder ir.

VITÓRIAS SOBRE O RUEDA
É outra história. Estou engatinhando na minha carreira. O currículo dele é invejável. Fiz um ano agora. Tenho que comer muito arroz com feijão. É outro momento. Não vejo vantagem por tê-lo vencido. Eles têm um elenco invejável, um dos melhores do Brasil. Por tudo isso, eles são os favoritos. Chama a atenção o time de Rueda pela organização tática e pela variação de jogadas ofensivas. O 4-2-3-1 que joga o Flamengo pode facilitar a vida dele. Desejo sucesso e sorte, mas espero que depois dos nossos jogos.

JEJUM CONTRA O FLAMENGO
Apesar da minha pouca idade e da pouca experiência no futebol, clássico é clássico. Não tem vantagem. Essas situações ficam para fora. O passado e os tabus são deixados para trás. A expectativa é de um grande jogo. Geralmente esses jogos são resolvidos em detalhes.

ENFRENTAR GRANDES TREINADORES
Não vou mentir. É bem gostoso. Fui enfrentar o Luxemburgo contra o Sport, um pentacampeão brasileiro. Depois o Renato. É gostoso. Não vou mentir. Mostra que todo o esforço valeu a pena. Mostra que pouco a pouco você está conquistando seu espaço.

SOFRER OU NÃO SOFRER
Quando falei que tínhamos que ganhar sem sofrer, alguns torcedores brincaram: “Isso aqui é Botafogo”. Mas sei que vamos sofrer. São grandes equipes, que sejam grandes jogos. Mas que seja o jogo da paz. Que as famílias possam torcer.

ESCALAÇÃO
Para que falar? Tem dado certo. O Botafogo é superstição (risos).

Fonte: GE

Sobre o autor