Jair cita perdas, busca alternativas e assume culpa: “Responsável sou eu”

A derrota por 2 a 0 para o Palmeiras, nesta segunda, em São Paulo, tirou o Botafogo da zona de classificação para a Libertadores, a uma rodada do fim do Brasileiro. O momento é preocupante. Há quatro jogos sem vencer, o Alvinegro não depende mais de suas próprias forças. Após o jogo, Jair Ventura citou as perdas do elenco, mas assumiu a responsabilidade pelos últimos resultados.

– Tudo que o eu falar agora vai parecer desculpa e será redundante. Se eu falar das perdas que tivemos… Agora com o Roger já são 13 jogos sem o meu artilheiro. Se eu falar da qualidade individual do Palmeiras também será redundante. Então o treinador é pago para criar alternativas quando você perde jogadores. E eu não consegui criar alternativas. Então o grande responsável sou eu.

O treinador, no entanto, destacou que o Botafogo segue vivo na luta por uma vaga na Libertadores.

– Temos mais um jogo em casa para conseguirmos nossa classificação. Assim como contra o Grêmio, no ano passado, conseguimos a vaga na última rodada. Temos chances ainda. 

Melhores momentos de Palmeiras 2 x 0 Botafogo pela 37º rodada do Brasileirão

Melhores momentos de Palmeiras 2 x 0 Botafogo pela 37º rodada do Brasileirão

OUTROS TRECHOS DA ENTREVISTA

Obrigação de vaga na Libertadores

Eu falei que não era obrigação. Mas obrigação é diferente de não darmos o máximo, o nosso melhor. Vamos vender caríssimo esse último jogo em casa para conseguirmos essa classificação.

 

Permanência no Botafogo

Tenho contrato. Só não fico caso a direção entenda que tenha que mudar. Estou focado nessa situação da Libertadores. Independente da classificação ou não, eu permaneço porque tenho contrato.

Roger joga?

Difícil, muito tempo fora, perdeu 4 quilos de massa magra. São 13 jogos sem o meu artilheiro, isso faz falta para qualquer equipe do mundo. Acho difícil ele jogar

Torcida

A torcida é paixão. O sofrimento deles é o nosso sofrimento. É lógico que os profissionais estão de passagem, e a torcida é o grande patrimônio do clube. Tudo que fazemos aqui é para dar o melhor para eles. Mas nem sempre o nosso melhor agrada. E ficamos tristes, porque somos pagos para isso.

Estreia do Ezequiel

É uma joia nossa, velocista, tem o um contra um muito bom. É um menino, temos que ter cuidado. Mas tenho uma necessidade. Não posso esperar e ficar sem opção no banco. Hoje eu já perdi o Pimpão. E só tenho o Guilherme de atacante de velocidade. Então é que que temos e vamos usá-lo.

Fonte: GE

Sobre o autor