Ídolo no Grêmio, vilão no Bota: o contraste de Renato Gaúcho nas quartas de final

Renato Portaluppi tem mais de 35 anos de história no futebol. Entre eles, momentos de glórias e situações polêmicas. Nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), pelas quartas de final da Libertadores, no Nilton Santos, o treinador terá pela frente o primeiro jogo de um duelo que expõe os dois lados da moeda. No comando do Grêmio, onde é ídolo, o ex-atacante encara o Botafogo, clube que não guarda boas lembranças.

Para explicar o contraste existente entre Botafogo e Grêmio sobre o mesmo personagem, o GloboEsporte.com resolveu mostrar a linha do tempo de Renato Gaúcho, desde os primeiros passos como jogador, passando por um polêmico churrasco em 1992.

  • 1982: Pontapé inicial
    Foi no Grêmio que Renato apareceu para o futebol. Após defender o Esportivo, do interior do Rio Grande do Sul, chegou ao clube gaúcho em 1980, esperando chance na equipe principal. Em 1982, aos 19 anos, deixou as categorias de base e ganhou chance entre os profissionais. Mesmo sem tanto espaço, conquistou, principalmente, os torcedores com boas atuações.
  • 1983: Ídolo coroado
    Com pouco mais de um ano no profissional, Renato atingiu a glória no Grêmio. Sob comando de Valdir Espinosa, virou o principal jogador da equipe e gravou o nome na maior conquista da história do clube, a Libertadores, diante do Peñarol. A temporada terminou com dois gols diante do Hamburgo, que garantiram o Mundial Interclubes, no Japão.
  • 1991: Renato alvinegro – e tricolor!
    Já consagrado, o atacante passou pelo Flamengo, defendeu a Roma, da Itália, voltou ao Rubro-negro e chegou ao Botafogo, em 1991. A expectativa da torcida pela chegada de Renato não correspondeu com a realidade: o desempenho no Campeonato Brasileiro foi abaixo do esperado. No meio da disputa do Carioca, outra surpresa: um inesperado empréstimo ao Grêmio até o fim da temporada.
  • 1992: O churrasco do afastamento
    Em janeiro de 1992, Renato Gaúcho voltou ao Alvinegro para ser o símbolo da caminhada no Brasileiro. De fato, os números cresceram. O atacante foi peça importante até a final da competição. Porém, uma imagem após a derrota de 3 a 0 para o Flamengo no primeiro jogo transformou o jogador em “traidor”. Renato foi flagrado num churrasco de confraternização dos jogadores rubro-negros. Foi o bastante para virar alvo da torcida e ser afastado do time.

Nessa época ainda teve outra polêmica antes do afastamento: após uma derrota por 4 a 2 em casa para o Corinthians, o então presidente alvinegro, Emil Pinheiro, disse que os jogadores deveriam treinar no Carnaval, e Renato Gaúcho não aceitou.

– A programação está feita, e é folga. De sábado à quarta-feira. Então não existe porque de nós treinarmos no Carnaval, até porque todas as equipes não irão treinar. Nós estamos bem na parte física, houve essa infelicidade contra o Corinthians porque lutamos muito contra o Bahia e dois dias depois estávamos em campo novamente, em um sol de 40 graus. Isso ninguém vê. Então não tem motivo nenhum de treinarmos no Carnaval, a folga está feita.

– Vamos pular e nos divertir, porque não é só o Botafogo que vai se divertir, vai parar o campeonato, todo mundo vai pular. Não tem motivo nenhum de as pessoas inventarem coisa agora porque o Botafogo perdeu uma partida. O desgaste (do Carnaval) será até uma preparação. Porque você pulando, se divertindo durante o Carnaval você está se movimentando. Se está se movimentando, está treinando – disse em entrevista à “Rede Manchete”.

Eu me arrependo um pouco, porque não imaginava que estava fechando a porta de um clube para o resto da vida. Mas, sendo assim, o Botafogo também perde um grande treinador. Não tenho mágoa. E, quer saber? Se o Botafogo chegou àquela final (do Brasileiro de 1992), fui um dos responsáveis – disse ao Blog da Marluci Martins, do “Jornal Extra”, no dia 25/06/17.

  • 2017: Ídolo x “Traidor”
    O dia 13 de setembro de 2017 marca o reencontro entre Renato e Botafogo num mata-mata, mas dessa vez em lados opostos. A idolatria gremista rivaliza com a decepção alvinegra nas quartas de final.

 

 

Fonte: Globoesporte.com

Sobre o autor
EQUIPE DE REDAÇÃO.