Botafogo, parabéns e obrigado!!

Botafogo, hoje eu preciso falar diretamente com você. Quero te parabenizar pelo seu 113º aniversário. Preciso te dizer o quanto você é importante na minha vida e na de outros milhões de torcedores. Datas especiais nos estimulam a falar o que sentimos e nada melhor do que o dia de hoje para falar de você.

Nos conhecemos há 37 anos, já vivemos muitas coisas juntos e tenho certeza que muitas outras ainda virão.  Não sei bem explicar ao certo como tudo começou, é amor, é paixão, é realmente algo sem explicação. Quando dei por mim você e eu já nos confundíamos em uma mesma história. Não imagino minha vida sem você e por isso jamais te abandonarei. Quando todos decretavam seu enfraquecimento eu me mantive sereno pois sei da sua força. Sua história é brilhante e me enche de orgulho.

Você é mesmo diferente Botafogo. Diferente em tudo, não é um clube comum. As emoções são sempre potencializadas. Torcer por você é uma afirmação de personalidade, coisa de quem tem opinião própria, fibra e raça. Passamos juntos por muitas dificuldades e nos mantivemos firmes com a certeza de que dias melhores chegariam.

Hoje vivemos um momento mágico. Você tem me dado alegrias extraordinárias. Suas campanhas na Libertadores e na Copa do Brasil nos fazem refletir muito além do futebol. Você tem sangue, você luta, você não desiste, você não se entrega, você se supera a cada partida. Isso é o que todo torcedor quer ver dentro de campo.

Não sei até onde vamos chegar mas acredito muito que chegaremos aos títulos. Independentemente disso o que você tem feito me emociona demais.

Botafogo, curta seu dia! Seja muito feliz. A sua felicidade é a minha e de tantos outros que também te amam. Obrigado pela sua existência e por me fazer feliz. Você é verdadeiramente especial para mim. PARABÉNS!!!!

Sobre o autor
Leandro Costa, botafoguense apaixonado desde sempre e para sempre. Do gol do Mauricio em 1989, passando pelo inesquecível título Brasileiro de 1995 com o gol do Túlio Maravilha, pela redentora cavadinha de Loco Abreu e chegando até a batalha de Assunção. Sempre ao lado do Fogão.